Novos desafios aos pequenos veteranos do Ateliê-Escola

O Ateliê-Escola recebe novas turmas a cada ano. Mas neste ano, as educadoras Camila Nascimento e Luana Batista têm uma novidade: duas turmas que fizeram parte dos Ateliês Canto em Grupo e Jogos e Brincadeiras em 2015 estão participando novamente! Nós conversamos com as duas educadoras para saber como estão sendo as atividades com os pequenos veteranos do Ateliê-Escola.

No ano passado, o pessoal do 3º ano da EE Professora Amélia Moncon Ramponi exercitou a afinação e a coordenação motora no Ateliê Canto em Grupo. “Como era a primeira experiência deles com música, eles fizeram exercícios com os pés e as mãos e conheceram o que são timbres, palmas graves e agudas, afinação, manossolfa, que é uma técnica de escala musical com movimentos, entre outros”, explica Camila. O repertório era composto por canções simples da música popular brasileira, para que as crianças aprendessem melhor as melodias.

Agora que a garotada está no 4º ano, a dificuldade das músicas aumentou! Tem canções com dissonância (quando as notas não seguem um padrão na escala musical), duas vozes, mais quebras rítmicas… Também há brincadeiras com bolas e baquetas para praticar marcação de tempo e divisões rítmicas. O objetivo é que as crianças ampliem a percepção musical e as sonoridades que conhecem. Camila disse que os participantes estão na maior empolgação e que lembram direitinho do que aprenderam no ano passado. “Você vê que a música realmente entrou dentro deles. E eles já entram na sala com postura de músicos, sem fazer bagunça, ficam com a coluna reta para não machucar o diafragma, está muito bacana”, diz a educadora.

O caso do Ateliê Jogos e Brincadeiras é um pouco diferente. As crianças do 2º ano da EMEF Maria Lucia dos Santos que participaram em 2015, quando estavam no 1º ano, se juntaram a outras que não conheciam o Ateliê. Então Luana decidiu retomar algumas atividades feitas no ano passado e também incluir outras com uma dificuldade maior. O mais legal é que aqueles que já tinham feito as brincadeiras passaram a ajudar os colegas. “Eles acabaram se tornando líderes no grupo”, conta a educadora. “O fantástico é acompanhar o crescimento deles. Havia crianças que não conseguiam identificar uma forma geométrica, por exemplo. Hoje elas já conseguem e ainda tomam a iniciativa de ajudar a turma.”

Além de formas geométricas, reciclagem, partes do corpo humano e assuntos de matemática e português, que já estavam presentes nas brincadeiras, os professores pediram para incluir a questão do mosquito Aedes aegypti, que transmite os vírus da dengue, chikungunya e zika. Para isso, os pequenos fizeram a brincadeira “Caça ao mosquito da dengue”. As turmas foram divididas em equipes e saíram pela escola em busca de locais onde o mosquito poderia colocar seus ovos. Cada vez que uma equipe encontrava um local e sugeria as mudanças que deveriam ser feitas, ganhava um ponto.

Publicado em abril 29, 2016, em Ateliê Canto em Grupo, Ateliê de Jogos e Brincadeiras, Ateliê-Escola e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: