Arquivos do Blog

Uma sala de aula ao ar livre na EMEF Alferes Tiradentes

O viveiro da EMEF Alferes Tiradentes ganhou um espaço repleto de biodiversidade construído pelo Viveiro Escola, do Ateliê-Escola: uma pequena agrofloresta. Este espaço mistura tanto plantas comuns em hortas e pomares quanto outras presentes em florestas, formando um ambiente em que as diversas espécies contribuem com o crescimento umas das outras. “É como se fosse uma sala de aula na natureza, toda a complexidade da natureza está presente lá”, descreve Pedro Massella, educador do Viveiro Escola.

Junto com o educador Marcel Zimmermann, Pedro organizou um mutirão para reformar todo o espaço, aplainando o terreno, fazendo degraus, substituindo madeiras estragadas, construindo contenções de terra… Ao longo do ano, eles plantaram uma variedade de espécies, como feijão-guandu e mamona (que atuam como adubos verdes), bananeira, limoeiro, moringa, begônia, cosmos, beterraba, rúcula, manjericão e muito mais!

O resultado foi um espaço lindo e que, além de proporcionar o plantio de espécies que podem ser consumidas, também já se tornou local de aulas das turmas da escola. “Os professores não precisam saber tudo sobre agrofloresta para ensinar, eles podem ir lá e aprender junto com os alunos”, diz Pedro. “É um material didático vivo.”

Anúncios

Ateliê-Escola: saiba como foram os encerramentos em cada ateliê

O Ateliê-Escola encerrou as atividades de 2016 com uma série de atividades e apresentações que envolveram os participantes dos ateliês, pais e comunidade escolar. Confira o que foi realizado ao longo de novembro e no início de dezembro!

As crianças do Ateliê Arte para Todos decoraram bancos da EE Professora Amélia Moncon Ramponi e muretas, corrimões e armários da EMEF Alferes Tiradentes com mosaicos coloridos. O 1º ano da EMEF Carlos de Andrade Rizzini desenhou retratos inspirados nas pinturas de Amadeo Modigliani, que foram colocados em uma placa de MDF e instalados em uma parede da escola. E a turma da EMEF Professora Maria Lucia dos Santos finalizou sua colcha de retratos, que será instalada na escola.

O encerramento do Ateliê Canto em Grupo foi marcado por diversas apresentações! Algumas delas aconteceram durante as Mostras Culturais da EE Amélia Moncon e das EMEFs Carlos Rizzini, Doutor Antônio Carlos de Abreu Sodré e Professor Laerte Ramos de Carvalho. Já as crianças das EMEFs Alferes Tiradentes e João Gualberto do Amaral Carvalho, além de outras turmas da EE Amélia Moncon e da EMEF Carlos Rizzini, se apresentaram em suas escolas para pais, alunos e funcionários.

Nas EMEFs Alferes Tiradentes e Carlos Rizzini e na EE Amélia Moncon, as turmas do Ateliê Jogos e Brincadeiras se juntaram para um dia de muita diversão, com várias brincadeiras regionais aprendidas no ateliê durante o semestre.

O Ateliê Era Uma Vez… organizou o lançamento e a entrega dos livros elaborados pelos participantes ao longo do semestre. As crianças da EMEF Maria Lucia dos Santos e da EE Amélia Moncon fizeram textos e ilustrações para recontar do seu próprio jeito as histórias que conheceram no ateliê.

As turmas do Viveiro Escola na EMEF Alferes Tiradentes foram presenteadas com vasinhos de mudas e participaram de brincadeiras no espaço do viveiro. Na EMEFM Professor Linneu Prestes, as crianças prepararam vitaminas deliciosas misturando frutas e ervas e hortaliças colhidas no viveiro: menta, couve, malva-cheirosa, malvavisco, hortelã, flor-de-cosmo, erva-doce, folha de pitanga e capim-limão.

Uma grande roda de capoeira foi realizada na Mostra Cultural da EMEF Laerte Ramos para finalizar as atividades do Ateliê Som e Movimento – Capoeira. Cada turma da EE Amélia Moncon também organizou uma roda para jogar capoeira.

O Festival de Animação do Ateliê Digital agitou a criançada da EE Amélia Moncon e das EMEFs João Gualberto e Antônio Carlos Sodré! Desta vez, os filmes em stop motion de cada escola foram exibidos em outra escola para que os alunos escolhessem o vencedor do Festival. As turmas premiadas receberam medalhas e um troféu. Além disso, os filmes feitos pelos participantes da EMEF Laerte Ramos no primeiro semestre e pelas crianças da EE Amélia Moncon neste semestre foram exibidos nas Mostras Culturais das escolas. Confira duas das produções deste ano:

Formação sobre horta escolar em São Paulo

O Ateliê-Escola promoveu na segunda quinzena de outubro uma formação sobre horta escolar para 30 professores e gestores de escolas municipais de São Paulo. A formação foi conduzida por Amanda Frug, fundadora do Instituto Humanaterra, e por Bruno Helvécio, educador do Viveiro Escola. A parte teórica foi dada na sede do Matéria-Prima São Paulo e a parte prática aconteceu nas áreas de cultivo criadas pelo Instituto Eurofarma na EMEFM Professor Linneu Prestes e da EMEF Alferes Tiradentes.

Um viveiro para toda a escola na EMEF Alferes Tiradentes

Um espaço de aprendizado, contato com a natureza e integração entre a escola e a comunidade. É assim que é visto o viveiro da EMEF Alferes Tiradentes, criado em 2013 por meio de uma parceria com o Viveiro Escola, do Ateliê-Escola. O viveiro ocupa um espaço bem amplo no estacionamento da escola e conta com diversos recursos, como uma minicisterna, uma composteira e uma roda de bananeiras.

O coordenador pedagógico da escola, Silem Santos Silva, conta que o Viveiro Escola colocou em prática uma proposta que a equipe estava bastante interessada em fazer, mas ainda não tinha conseguido devido às atividades que ocupam a rotina dos professores. “A parceria com o Ateliê-Escola é extremamente importante”, diz Silem. “Quando o Ateliê-Escola entrou, ele deu conta desse outro conteúdo que está no dia a dia escolar, mas na modalidade extraclasse”, explica.

Na EMEF Alferes Tiradentes, as turmas dos anos iniciais são as que participam do Viveiro Escola, mas o viveiro é aberto a atividades de todas as turmas. O coordenador menciona que o espaço já foi local para contações de histórias e para uma atividade do 7º ano em que os alunos fizeram uma identificação das plantas do viveiro e das árvores da escola. “O viveiro cria um contato com a natureza, respeito à terra, noção de como lidar com a vida, compreensão dos processos de plantio e colheita. As crianças também passam a valorizar o trabalho no campo, os alimentos e o trabalho manual”, afirma.

Silem destaca que o espaço do viveiro é bastante valorizado tanto pela comunidade escolar quanto pela comunidade externa. Funcionários e pais podem levar mudas para casa e muitos professores conversam com o educador Bruno Helvécio para saber como fazer o plantio. As cozinheiras e a equipe de limpeza também contribuem com a composteira levando restos de cascas de alimentos e folhas recolhidas no pátio da escola.

Não é à toa que o viveiro da EMEF Alferes Tiradentes serviu como modelo para professores, coordenadores e diretores de outras escolas públicas de São Paulo nas formações sobre horta escolar organizadas em 2015 pelo Ateliê-Escola. Para Silem, esse é um motivo de orgulho. “As escolas públicas têm uma certa rejeição a esse tipo de projeto com a comunidade por receio de depredação. Nós não temos esse problema aqui, percebemos um grande respeito das pessoas que vêm aqui aos finais de semana e da comunidade interna. Eles veem a beleza do espaço e o aprendizado das crianças e respeitam o viveiro.”

Essa boa experiência levou o coordenador e um professor da escola a pensar na expansão do jardim que fica perto do estacionamento. Eles pretendem utilizar conceitos de geometria para planejar o espaço e conversar com o educador Bruno para entender quais tipos de plantas poderão ser plantadas, o tipo de terra a ser utilizada e de que forma podem fazer a ampliação. Temos certeza de que será mais um lindo espaço para toda a escola aproveitar!

Final de semestre com torta na cara e contação de histórias

No Ateliê-Escola, os Ateliês Jogos e Brincadeiras e Era Uma Vez… prepararam atividades especiais para encerrar o semestre! As crianças do Ateliê Jogos e Brincadeiras participaram de um campeonato muito divertido de perguntas e respostas, no estilo “torta na cara”. Os pequenos foram divididos em equipes e se revezaram para responder perguntas feitas pela educadora Luana Batista, envolvendo temas das atividades feitas durante o semestre.

O primeiro a bater na campainha tinha que responder a pergunta. Se acertasse, dava uma “tortada” de chantili no rosto do adversário. E se errasse, era ele quem ficava com a cara toda melecada! As três equipes que acertaram mais perguntas ganharam medalhas de ouro, prata e bronze, e a vencedora também recebeu um troféu. O campeonato foi realizado nos dias 27, 28 e 30 de junho nas EMEFs Doutor Antônio Carlos de Abreu Sodré, Alferes Tiradentes, Professora Maria Lucia dos Santos e na EE Professora Amélia Moncon Ramponi.

Já o pessoal do Ateliê Era Uma Vez… escolheu a história que mais gostou de conhecer durante o semestre para contá-la a outras turmas da escola. Foram selecionados os contos populares “Três desejos”, “Maria Angula” e “Rei cabeça de galinha”. Além disso, as crianças mostraram para os colegas os cadernos que fizeram com ilustrações dos contos apresentados pelo educador Márcio Maracajá no Ateliê. As apresentações aconteceram em 28 e 30 de junho nas EMEFs João Gualberto do Amaral Carvalho, Alferes Tiradentes e Professor Laerte Ramos de Carvalho.

Ateliê Digital encerra semestre com Festival de Animação

O Festival de Animação marcou o encerramento das atividades deste semestre no Ateliê Digital, do Ateliê-Escola! Ele aconteceu em duas etapas. Nos dias 13, 14 e 15 de junho, os filmes em stop motion criados pela garotada foram exibidos a outras turmas da escola que não participam do Ateliê. Eles foram convidados a escolher o filme que mais gostaram e a depositar um papel com seu voto em uma urna.

Na semana seguinte, foi a vez das crianças do Ateliê assistirem aos filmes e conhecerem os vencedores do Festival. Das 12 turmas que participaram, seis foram premiadas com medalhas e um troféu. O pessoal ficou na maior ansiedade para saber qual foi o filme vencedor, e é claro que as turmas premiadas comemoraram muito. Mas todos estão de parabéns e podem se considerar vencedores, porque os filmes estão incríveis! Você pode conferi-los neste site, junto a outras animações feitas nos semestres anteriores.

Os vencedores desta edição do Festival de Animação foram os filmes “A lenda do tênis misterioso”, da EE Professora Amélia Moncon Ramponi; “O menino fantasma” e “Epa, o menino sumiu!”, da EMEF Alferes Tiradentes; “A turma do barulho”, da EMEF Doutor Antônio Carlos de Abreu Sodré; e “A festa à fantasia” e “O mistério do bebedouro enfeitiçado”, da EMEF Professor Laerte Ramos de Carvalho.