Arquivos do Blog

Percurso para convidar as crianças a imergir no mundo da arte

Painéis de mosaico, esculturas de monstros, instalações de lambe-lambe, ilustrações nas paredes… Os participantes do Ateliê Arte para Todos já produziram as mais diversas obras e deixaram sua marca na sede do MP Itapevi e nas escolas participantes do Ateliê-Escola – uma das maneiras pelas quais mostramos às crianças o poder que elas têm de interferir no mundo.

Pra chegar nesse resultado, o primeiro passo é encantar meninos e meninas ao introduzi-los no mundo da arte. A estratégia adotada pela educadora Fúlvia Marchezi para convidá-las para o percurso é a contação de histórias. Fúlvia apresenta as histórias de maneira divertida e cheia de expressões, já tendo utilizado até fantasias e adereços – depois, os participantes fazem ilustrações dos contos. “É para que eles se encantem com a proposta do ateliê, de ser algo diferente do que eles estão acostumados”, explica.

O objetivo do ateliê é a alfabetização visual, ou seja, ensinar os participantes a apreciar, descrever e questionar o que veem em obras de arte, identificar elementos do desenho, desenhar de forma livre e expressiva e reconhecer obras de grandes artistas. Por isso, após o momento do convite com as histórias, as crianças começam a realizar uma série de atividades que exercitam essas habilidades. Elas fazem exercícios que envolvem elementos do desenho, conhecem diferentes linguagens artísticas e discutem obras de arte.

Fúlvia dá preferência por contextualizar as obras de artistas renomados com as atividades do ateliê. “Mostro referências de artistas que trabalham em suas obras elementos que estou trabalhando com as crianças, para estabelecer uma conexão.” Alguns exemplos são o pontilhismo do francês Georges Seurat, os pontos e esferas da japonesa Yayoi Kusama, as linhas do norte-americano Saul Steinberg e as esculturas e instalações da francesa Louise Bourgeois.

Além do produto final, que são as instalações nas escolas e na sede do MP Itapevi, a ideia é que os participantes encontrem sua própria maneira de desenhar e se expressar e ampliem seu repertório e a forma como leem as obras de arte. “Um dos principais resultados esperados é que a criança que desenha de um jeito restrito, fazendo pessoas de palito, cabelos em espiral, consiga quebrar tudo e fazer desenhos de uma forma que ela nunca tentou”, diz Fúlvia.

Ateliê-Escola: saiba como foram os encerramentos em cada ateliê

O Ateliê-Escola encerrou as atividades de 2016 com uma série de atividades e apresentações que envolveram os participantes dos ateliês, pais e comunidade escolar. Confira o que foi realizado ao longo de novembro e no início de dezembro!

As crianças do Ateliê Arte para Todos decoraram bancos da EE Professora Amélia Moncon Ramponi e muretas, corrimões e armários da EMEF Alferes Tiradentes com mosaicos coloridos. O 1º ano da EMEF Carlos de Andrade Rizzini desenhou retratos inspirados nas pinturas de Amadeo Modigliani, que foram colocados em uma placa de MDF e instalados em uma parede da escola. E a turma da EMEF Professora Maria Lucia dos Santos finalizou sua colcha de retratos, que será instalada na escola.

O encerramento do Ateliê Canto em Grupo foi marcado por diversas apresentações! Algumas delas aconteceram durante as Mostras Culturais da EE Amélia Moncon e das EMEFs Carlos Rizzini, Doutor Antônio Carlos de Abreu Sodré e Professor Laerte Ramos de Carvalho. Já as crianças das EMEFs Alferes Tiradentes e João Gualberto do Amaral Carvalho, além de outras turmas da EE Amélia Moncon e da EMEF Carlos Rizzini, se apresentaram em suas escolas para pais, alunos e funcionários.

Nas EMEFs Alferes Tiradentes e Carlos Rizzini e na EE Amélia Moncon, as turmas do Ateliê Jogos e Brincadeiras se juntaram para um dia de muita diversão, com várias brincadeiras regionais aprendidas no ateliê durante o semestre.

O Ateliê Era Uma Vez… organizou o lançamento e a entrega dos livros elaborados pelos participantes ao longo do semestre. As crianças da EMEF Maria Lucia dos Santos e da EE Amélia Moncon fizeram textos e ilustrações para recontar do seu próprio jeito as histórias que conheceram no ateliê.

As turmas do Viveiro Escola na EMEF Alferes Tiradentes foram presenteadas com vasinhos de mudas e participaram de brincadeiras no espaço do viveiro. Na EMEFM Professor Linneu Prestes, as crianças prepararam vitaminas deliciosas misturando frutas e ervas e hortaliças colhidas no viveiro: menta, couve, malva-cheirosa, malvavisco, hortelã, flor-de-cosmo, erva-doce, folha de pitanga e capim-limão.

Uma grande roda de capoeira foi realizada na Mostra Cultural da EMEF Laerte Ramos para finalizar as atividades do Ateliê Som e Movimento – Capoeira. Cada turma da EE Amélia Moncon também organizou uma roda para jogar capoeira.

O Festival de Animação do Ateliê Digital agitou a criançada da EE Amélia Moncon e das EMEFs João Gualberto e Antônio Carlos Sodré! Desta vez, os filmes em stop motion de cada escola foram exibidos em outra escola para que os alunos escolhessem o vencedor do Festival. As turmas premiadas receberam medalhas e um troféu. Além disso, os filmes feitos pelos participantes da EMEF Laerte Ramos no primeiro semestre e pelas crianças da EE Amélia Moncon neste semestre foram exibidos nas Mostras Culturais das escolas. Confira duas das produções deste ano: